EMPRESA‎ > ‎ARTIGOS‎ > ‎

Coleta seletiva nas empresas

Portal Banas Qualidade - 25/08/2010

Uma leitora diz que está implantando um programa de coletiva seletiva na empresa, mas que o nível de participação ainda é muito incipiente. O maior problema, acredito eu, é a falta de conscientização da importância de se adotar posturas em prol do meio ambiente, já que o nível de educação ambiental nas escolas e em casa é zero.

A coleta seletiva é um sistema de recolhimento de materiais recicláveis: papéis, plásticos, vidros, metais e orgânicos, previamente separados na fonte geradora e que podem ser reutilizados ou reciclados. Funciona, também, como um processo de educação ambiental na medida em que sensibiliza as pessoas sobre os problemas do desperdício de recursos naturais e da poluição causada pelo lixo.

Diferente da reciclagem que é o processo de transformação de um material, cuja primeira utilidade terminou, em outro produto. Por exemplo: transformar o plástico da garrafa PET em cerdas de vassoura ou fibras para moletom. A reciclagem gera economia de matérias primas, água e energia, é menos poluente e alivia os aterros sanitários, cuja vida útil é aumentada.

Igualmente é importante saber que reciclável indica que o material pode ser transformado em outro novo material. Reciclado indica que o material já foi transformado. Algumas vezes, o material que foi reciclado pode sofrer o processo de reciclagem novamente. Certos materiais, embora recicláveis, não são aproveitados devido ao custo do processo ou à falta de mercado para o produto resultante. Reciclar é diferente de separar, pois consiste em transformar materiais já usados em outros novos, por meio de processo industrial ou artesanal. Separar é deixar fora do lixo tudo que pode ser reaproveitado ou reciclado. A separação ou triagem do lixo pode ser feita em casa, na escola ou na empresa. É importante lembrar que a separação dos materiais de nada adianta se eles não forem coletados separadamente e encaminhados para a reciclagem.

Também fundamental passar a ideia para o funcionário da prática do 3 Rs:

  • Reduzir – Evitar a produção de resíduos, com a revisão de seus hábitos de consumo. Exemplo: preferir os produtos que tenham refil.
  • Reutilizar – Reaproveitar o material em outra função. Exemplo: usar os potes de vidro com tampa para guardar miudezas (botões, pregos, etc.).
  • Reciclar – Transformar materiais já usados, por meio de processo artesanal ou industrial, em novos produtos. Exemplo: transformar embalagens PET em tecido de moletom.

As vantagens da coleta seletiva incluem:

  • Diminui a exploração de recursos naturais;
  • Reduz o consumo de energia;
  • Diminui a poluição do solo, da água e do ar;
  • Prolonga a vida útil dos aterros sanitários;
  • Possibilita a reciclagem de materiais que iriam para o lixo;
  • Diminui os custos da produção, com o aproveitamento de recicláveis pelas empresas;
  • Diminui o desperdício e os gastos com a limpeza urbana;
  • Cria oportunidade de fortalecer as organizações comunitárias;
  • Gera emprego e renda pela comercialização dos recicláveis.

Para a implementação do programa, faz-se necessário um planejamento, a implantação prática e a manutenção do processo. Par planejar, necessita formar uma equipe que deverá conhecer um pouco sobre o lixo gerado na empresas: quantidade diária do lixo gerado (pode ser em peso ou número de sacos de lixo); de quais tipos de resíduos o lixo é composto e porcentagens de cada um (papel, alumínio, plástico, vidro, orgânicos, infectante, etc.); qual o caminho do lixo: desde onde é gerado até onde é acumulado para a coleta municipal; e identificar se alguns materiais já são coletados separadamente e, em caso positivo, para onde são encaminhados.

Depois disso, a equipe deverá definir as instalações físicas (local para armazenagem, locais intermediários); os recursos materiais existentes (tambores, latões e outros que possam ser reutilizados); quem faz a limpeza e a coleta normal do lixo (quantas pessoas); e a rotina da limpeza: como é feita a limpeza e a coleta (freqüência, horários). A equipe deverá também fazer uma pesquisa sobre o mercado dos recicláveis. A doação é uma opção para quem vai implantar a coleta seletiva é encaminhar os materiais para associações ou cooperativas que, por sua vez, vendem ou reaproveitam esse material. Se for esta a opção, é bom ter uma lista desses interessados à mão. Esta lista poderá ser complementada por meio de pesquisa na sua região, pois há muitas entidades beneficentes que aceitam materiais recicláveis. Quanto à venda, precisa conhecer os preços e os compradores de sucatas, papel, aparas, etc.

A parte operacional do projeto inclui se a coleta será de todos os materiais ou só dos mais fáceis de serem comercializados; se a armazenagem dos recicláveis será em um lugar só ou com pontos intermediários; quem fará a coleta; onde será estocado o material; para quem será doado e/ou vendido o material; como será o caminho dos recicláveis, desde o local onde é gerado até o local da estocagem; e como será o recolhimento dos materiais, inclusive freqüência.

Uma parte, que eu considero a mais fundamental para o sucesso, é quanto à educação ambiental, pois ela integra todas as atividades de informação, sensibilização e mobilização de todos os envolvidos. O primeiro passo consiste em listar os diferentes setores da empresa envolvidos. O segundo passo é pensar que tipo de informação cada departamento deve receber. O terceiro passo é: pensando em cada setor e nas informações que se quer passar, depois planejar quais as atividades serão propostas para cada setor, visando atingir com mais sucesso o objetivo. Entre as atividades usadas, a sugestão são cartazes, palestras, folhetos, reuniões, gincanas, festas, etc. Realizar uma variedade grande de atividades sempre é melhor, pois atinge mais pessoas.

Uma vez desencadeado o processo, alguns ajustes sempre serão necessários, mas é importante manter seu controle. A divisão dos trabalhos, para garantir a realização das várias tarefas e contatos planejados, é a estratégia mais eficiente. A equipe responsável deverá realizar compras, se necessário; confecção de placas sinalizadoras, cartazes, etc.; instalação dos equipamentos; treinamento dos funcionários responsáveis pela coleta; elaboração de folhetos informativos (horários, frequências, etc.).

A inauguração do programa deverá ser um evento bem divulgado e ter sempre uma característica alegre, criativa, de festa, mas no qual as informações principais também possam ser passadas. Pode ser uma exposição, uma palestra. Deve-se fazer desta data algo marcante.

A manutenção do programa inclui:

  • Acompanhamento e gerenciamento da coleta, do armazenamento, venda e ou doação dos materiais.
  • Levantamento das quantidades coletadas e a receita gerada (caso o material tenha sido vendido), até setorizado por tipo de material se possível.
  • Atividades contínuas de informação e sensibilização, com retomada dos objetivos e a divulgação de notas em jornais/boletins (internos), palestras, reuniões, gincanas, cartazes, etc. Sempre são estratégias que incentivam.
  • Balanço do andamento e resultados do programa. É fundamental que sejam divulgados. 
Comments